Lição 3 O Cativeiro Motivado pelo Desprezo ao Ensino

🎓 Lições Jovens Professor 1° Trimestre 2024 CPAD

Revista: O FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E DOS PROFETAS – A Doutrina Bíblica como Base para uma Caminhada Cristã Vitoriosa

AUTOR: Pr. Elias Torralbo

Data da aula: 21 de Janeiro de 2024

TEXTO PRINCIPAL

“E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos.” (Tg 1.22)

 

RESUMO DA LIÇÃO

Muitas são as consequências decorrentes do abandono do ensino das Escrituras, por isso precisamos priorizar o estudo bíblico.

 

LEITURA SEMANAL

SEGUNDA – Jr 18.1-6

O Senhor é livre para fazer o que e como quiser

TERÇA – Hb 12.6

A correção divina

QUARTA – Mt 7.24-27

A segurança daqueles que praticam a Palavra

QUINTA – At 8.14-24

O espírito do engano é vencido pelo Espírito de Deus

SEXTA – 2 Co 4-1.2

Não negocie e nem altere as Escrituras Sagradas

SÁBADO – Ne 8.1-12

Em tempos de apostasia, devemos nos voltar para a Palavra

OBJETIVOS

• CONSCIENTIZAR do perigo de se esquecer da Lei do Senhor;

• EXPLICAR porque não podemos deixar de ouvir as Escrituras;

• COMPREENDER o perigo dos falsos ensinos.

 

INTERAÇÃO

Prezado (a) professor(a), nesta Lição veremos as duas naturezas do cativeiro babilônico. Sabemos que um dos motivos que fizeram com que o povo de Deus fosse levado cativo para a Babilônia, foi ter negligenciado os ensinos do Senhor. Utilize a temática da Lição para advertir seus alunos a respeito dos grandes prejuízos oriundos do desprezo à Palavra de Deus, Precisamos estar conscientes dos perigos que nos cercam se descuidarmos em ouvir e obedecer a lei divina. Vivemos na Nova Aliança, um tempo de graça e misericórdia, mas jamais podemos deixar de ouvir e praticar o que está revelado nas Escrituras Sagradas. Precisamos também estar vigilantes quanto aos falsos ensinos na atualidade, disseminado pelos falsos profetas.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor (a), converse com seus alunos explicando que a “transgressão irrestrita acaba levando a um estado de impudência (falta de vergonha) onde o indivíduo é incapaz de se importar. Isso agora pode ser visto em relação ao povo de Deus, no tempo do profeta Jeremias, Embora apanhado em seu pecado como um ladrão e envergonhado por causa de sua conduta, seus reis […1 príncipes […] e os seus profetas continuaram praticando a prostituição espiritual. Apesar do fato de Deus permitir o sofrimento para afastá-los do seu pecado, eles não aprenderam da sua experiência.

Eles não aceitaram a correção, mas mataram os verdadeiros profetas com a espada, na sua loucura em servir outros deuses. Essas pessoas tinham um espírito indisciplinado; elas não tinham consideração pelas leis de Deus ou dos homens. Imaturas e inconstantes como crianças, insistiam em vir a Deus somente quando lhes agradava” (Adaptado de Comentário Bíblico Beacon. Vol., 4: Isaías a Daniel. Rio de Janeiro, CPAD, 2005, pp. 268,269).

 

TEXTO BÍBLICO

Jeremias 27.4-11

4 E lhes darás uma mensagem para seus senhores, dizendo: Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Assim direis a vossos senhores:

5 Eu fiz a terra, o homem e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder e com o meu braço estendido, e os dou a quem me agrada.

6 E, agora, eu entreguei todas estas terras nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, meu servo, e até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam.

7 E todas as nações servirão a ele, e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que também venha o tempo da sua própria terra, quando muitas nações e grandes reis se servirão dele.

8 E acontecerá que, se alguma nação e reino não servirem o mesmo Nabucodonosor, rei da Babilônia, e não puserem o pescoço debaixo do jugo do rei da Babilônia, visitarei com espada, e com fome, e com peste essa nação, diz o SENHOR, até que a consuma pelas suas mãos.

9 E não deis ouvidos aos vossos profetas, e aos vossos adivinhos, e aos vossos sonhos, e aos vossos agoureiros, e aos vossos encantadores, que vos falam, dizendo: Não servireis ao rei da Babilônia.

10 Porque mentiras vos profetizam, para vos mandarem para longe da vossa terra, e para que eu vos lance dela, e vós pereçais.

11 Mas a nação que meter o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia e o servir, eu a deixarei na sua terra, diz o SENHOR, e lavrá-la-á e habitará nela.

 

INTRODUÇÃO

Nesta lição, vamos ver duas naturezas do cativeiro babilônico: histórica e exortativa. No aspecto histórico, veremos o período em que o povo de Deus estava prestes a ser levado cativo para a Babilônia, principalmente por ter negligenciado o ensino de Deus: quanto à ação exortativa, esta Lição assume a responsabilidade de advertir a todos os crentes sobre os grandes prejuízos oriundos do desprezo à Palavra de Deus.

 

Com base nessas duas Linhas de abordagem, inicialmente, a Lição trata sobre os perigos que cercam o crente no sentido de se esquecerem da Lei do Senhor, seguido do alerta para que não se deixe de ouvir a Palavra de Deus, culminando assim com uma denúncia sobre os falsos ensinos na atualidade.

 

I – O PERIGO DE SE ESQUECER DA LEI DO SENHOR

1. O povo de Deus e o cativeiro na Babilônia.

Por ocasião de seu chamado, Jeremias teve duas visões da parte de Deus. A primeira foi a de uma vara de amendoeira como clara referência à infalibilidade da Palavra de Deus (Jr 1.11,12), enquanto a segunda foi a de uma panela a ferver inclinada para o norte, indicando a mensagem de juízo que ele teria de transmitir e que viria da região do norte (Jr 1.13,14). Portanto, desde o início, o ministério e a mensagem de Jeremias estiveram relacionados com a convocação divina para o arrependimento de seu povo com vistas ao escape do juízo.

 

No Livro de 2 Reis, nos capítulos 24 e 25, encontramos detalhes sobre o processo pelo qual o povo de Deus foi levado para a Babilônia. Antes disso.

 

Deus comunicou através de Jeremias que o cativeiro teria a duração de setenta anos (Jr 25.9,11). Segundo a Palavra de Deus, o cativeiro faria desaparecer “dentre eles a voz de folguedo e a voz de alegria” (Jr 25.10). Como era de esperar, essa mensagem fez de Jeremias um perseguido e odiado pela maioria de seus irmãos em seus dias que, inclusive, projetaram matá-lo (Jr 26.7-24). No entanto, o profeta não desfaleceu e cumpriu a missão de anunciar a mensagem (Jr 27.1-11).

 

2. Propósito e causa do cativeiro.

Além de avisar sobre o que seu povo sofreria, Deus informou também que o propósito disso era de que seu povo se arrependesse, se convertesse e, então, pudesse habitar na terra que deu a vossos pais (Jr 25.5). Note, portanto, que o propósito do cativeiro não foi o de destruir e nem de humilhar, mas o de disciplinar e corrigir (Hb 12.11). Além disso, 0 Senhor apresentou também 0 que 0 Levou a permitir seu povo sofrer durante longos 70 anos nas mãos dos babilônios: “Todavia, não me destes ouvidos, diz 0 SENHOR […]. Portanto, assim diz 0 SENHOR dos Exércitos: Visto que não escutastes as minhas palavras” (Jr 257,8), O cativeiro foi uma oportunidade para que o povo pudesse reconhecer o erro de ter rejeitado ao Senhor e seus ensinos.

 

3. A saída do cativeiro.

Depois do que foi abordado até aqui, é momento de conhecera saída que Deus providenciou e apontou para que seu povo pudesse evitar o cativeiro, ou sair dele, já que a rejeição à lei de Deus foi a principal causa do cativeiro.

 

O desejo de Deus foi de que seu povo se submetesse à sua vontade, a fim de preservá-lo e abençoá-lo (Jr 27.6,11). A submissão a Deus e à sua Palavra foi o caminho proposto pelo Senhor para a restauração de seu povo (Ed 1.1-4: Ne 8.1-18).

 

SUBSÍDIO 1

Jeremias foi nomeado profeta para Judá, mas também para as nações. Ele é comissionado por Deus. Sua tarefa consistia em se apresentar na intima assembleia divina e então ir e proclamar o que havia visto e ouvido. Ele foi comissionado com estas palavras: “tudo quanto te mandar dirás. Eis que ponho as minhas palavras na tua boca”. A fidelidade de Jeremias em relação a essa tarefa resultou em oposição feroz da sua própria família, dos seus vizinhos, do seu rei e de seus amigos. Embora vacilasse às vezes, ele nunca falhou na sua comissão divina.

 

Qual é a mensagem recebida por Jeremias para o seu povo? […] Todos os homens são culpados e responsáveis diante de Deus (1.5,10). Judá é responsável porque abandonou o Senhor para servir a falsos deuses (1,10,15,16). As nações estão debaixo do juízo divino porque sua conduta está abaixo da justiça humana comum. Os culpados sofrerão destruição e dificuldade, porque Deus certamente virá para julgar. Quando Ele vier, os reinos e povos serão arrancados e derribados, Deus não está dormindo como supõem os homens, mas está alerta para cumprir sua palavra (1.11,12). […I Essa advertência oportuna é seguida por uma palavra de esperança: O castigo e o julgamento de Deus são redentores; isto é, Ele aflige para curar. Além do julgamento há esperança de uma restauração — um povo redimido e um dia novo.

 

II – NÃO SE PODE DEIXAR DE OUVIR AS ESCRITURAS

1. Causas da indiferença às Escrituras.

Na atualidade, temos visto um esfriamento espiritual que tem causado desinteresse, afastamento e aversão aos ensinos de Deus, O homem tomou, erradamente, a decisão de viver independente do Criador, como Adão e Eva (Gn 3,5). O conhecimento sobre 0 Senhor e sua vontade passa pelas Escrituras (Jo 5-39), pois por meio delas a humanidade é informada a respeito do plano divino. O ser humano é, por natureza, inclinado aos seus próprios desejos e a ser independente de Deus, sendo tendencioso a negligenciar e a desprezar as Escrituras (Jr 6.16,17). Portanto, a principal e maior causa da indiferença às Escrituras advêm da natureza humana que, além de contrária a Deus e à sua vontade, traz a rebeldia.

 

2. Consequências da indiferença às Escrituras.

Ao pecar, o primeiro casal negligenciou e desobedeceu a ordem de Deus (Gn 2.15-17:3.6,7). Os acontecimentos sucedentes mostram a tragédia oriunda do desprezo à Palavra de Deus, pois tudo o que o ser humano precisa para viver bem está em sua submissão a ela (Sl 1.1-3).

 

As terríveis consequências da desobediência aos ensinos divinos ocorrem em três dimensões, isto é, na relação do homem com Deus, consigo mesmo e com as outras pessoas, Adão e Eva tentaram se esconder de Deus quando pecaram (Gn 3.8), perceberam que estavam nus (Gn 3.7) e o homem culpou à mulher por sua atitude (Gn 3.12). A fonte de toda insatisfação individual e dos conflitos interpessoais é a rejeição da vontade de Deus e de sua Palavra (Tg 4.1-7), e o pecado só poderá ser vencido através do compromisso renovado e resoluto com os ensinos divinos (Sl 119.11).

 

3. O caminho de volta às Escrituras.

Que caminho é este? Esta questão pode ser respondida de diferentes formas, e aqui será utilizado o texto de Neemias 8.1-12. Em um contexto de contraste entre a realidade da destruição e o trabalho de restauração, o texto mostra a atitude do povo de Israel diante da lei de Deus, indicando o caminho aos que desejam reencontrar-se com a Palavra de Deus, como podemos ver: o povo solicitou que o livro da Lei de Moisés pudesse estar entre eles para ser lido; o povo deu atenção aos ensinos do Livro e se dispôs a ouvir longamente sua Leitura; o livro da Lei de Moisés foi colocado acima do povo, que o reverenciou (v. 5); a mensagem foi centrada em Deus e o povo se quebrantou e adorou: o povo desejou aprender: quebrantado e arrependido, o povo chorou (v. 9) e a vida do povo melhorou porque entendeu a palavra explicada (v. 12). Portanto, o caminho de volta às Escrituras é pavimentado através do temor a Deus, da consciência do próprio estado espiritual e do arrependimento sincero.

 

SUBSÍDIO 1

Professor (a), inicie o tópico fazendo a seguinte pergunta: “Porque não podemos deixar de ouvir, estudar e praticar as Escrituras?”

Incentive a participação de todos e ouça os alunos com atenção. Em seguida, explique que um dos motivos porque não devemos negligenciar o estudo da Palavra de Deus está no fato de que ela oferece luz para o nosso caminho (Sl 119.105). Ela é lâmpada para os nossos pés. Sem a Palavra de Deus nos tornamos uma preza fácil para o Inimigo e acabamos sucumbindo em meio às falsas doutrinas da atualidade. Precisamos fazer como o salmista, Ele fez dos testemunhos de Deus o seu tesouro, e se regozija neles.

 

III – O PERIGO DOS FALSOS ENSINOS

1. A triste realidade dos falsos ensinos.

O primeiro passo é reconhecer a realidade dos falsos ensinos em todas as épocas da história. Paulo mostra que os falsos ensinos são suscitados e disseminados por espíritos enganadores (Tm 4.1). A Bíblia mostra que o Diabo é enganador (Jo 8.44). Ele enganou Adão e Eva no jardim do Éden, levando-os à desobediência, cujas consequências atormentam os homens até hoje.

 

O Inimigo continua operando mediante os ensinos enganosos a fim de trazer confusão e o enfraquecimento espiritual para a igreja. Nos dias de Elias, falsos profetas enganavam o povo de Deus (1 Rs 18.20-22), assim como nos dias de Jeremias, o espírito de engano atuava abertamente (Jr 5.30,31), bem como no período dos apóstolos (1 Jo 4.5). Sendo assim, a igreja da atualidade deve reconhecer que o espírito de engano que atua na disseminação de falsos ensinos ainda opera, e que os seus frutos são amargos e prejudiciais.

 

2. Identificando os falsos ensinos.

Diante da realidade dos falsos ensinos e de seus males, é preciso identificá-los, por meio da própria Bíblia. Conforme analisado, a fonte dos falsos ensinos é o espírito de engano, e de acordo com 1 João 4.1-6, é possível identificá-los e resisti-los. A igreja não deve acreditar em tudo, mas deve provar os espíritos e reconhecera existência do engano, pois somente pelo Espírito é que Cristo pode ser confessado como vindo de Deus, sendo o critério final de verificação (vv. 2,3). É também importante ressaltar que aqueles que conhecem a voz de seu Senhor não serão enganados (vv. 4-6). Em Gálatas 1.6-11, Paulo fala sobre esse espirito de engano, que ele chamou de “outro evangelho”. Paulo mostra que o “veneno” do engano deve ser rejeitado pela igreja e essa rejeição se dá por meio do conhecimento do verdadeiro Evangelho (Rm 1.16,17). Portanto, no combate aos falsos ensinos sempre deve ter o ensino do verdadeiro Evangelho como referência e ponto de partida.

 

3. Vencendo os falsos ensinos.

Impõe-se a necessidade de uma saída pela qual a igreja possa enfrentar e vencer o problema dos falsos ensinos. No texto base dessa lição é possível identificar a orientação de Deus para o seu povo e pode ser dividido em dois pontos: ouça a Palavra de Deus (Jr 27.4,5,11) e identifique os falsos profetas e não dê ouvidos aos seus ensinos, que contrariam à mensagem de Deus (Jr 27.9,10).

 

Paulo teve de lidar com a astúcia dos falsos mestres que aproveitaram a sua ausência da igreja em Corinto para destilar o veneno dos falsos ensinos, questionando a autenticidade do ministério do apóstolo, com base principalmente em suas limitações físicas e na simplicidade de sua mensagem. O enfrentamento de Paulo aos ataques daqueles falsos mestres passou pela confirmação de que o serviço é o principal objetivo do ministério, e mesmo que em meio às mais terríveis adversidades, o importante é que a igreja desfrute da obra de Deus realizada em Cristo (2 Co 3). O apóstolo mostrou também que diante dos falsos ensinos ele não desfaleceria, não agiria com interesses pessoais e não falsificaria a Palavra de Deus (2 Co 4.1,2). Portanto, podemos afirmar que a forma mais eficaz de enfrentar e vencer os falsos ensinos é manter viva a confiança na verdade do Evangelho, pregando-o em todo o tempo sem adulterá-lo (2 Tm 4.2-4).

 

SUBSÍDIO 3

A missão de Timóteo em Éfeso era combater os falsos mestres e zelar pela pureza do ensino na igreja, o que Paulo chama seguidas vezes de “sã doutrina” nas Pastorais (1 Tm 1.10; 2 Tm 4.3; Tt 1.9; 2.1); “boa doutrina” (1Tm 4.6) e “sãs palavras” (1 Tm 6.3; 2 Tm 1.13). Hoje, de forma semelhante, precisamos estar cada vez mais apegados ao detido estudo das Escrituras em nossa vida devocional e valorizar o genuíno ensino bíblico em nossas Escolas Bíblicas Dominicais, cultos de ensino e outras oportunidades que temos em nossa igreja local.

 

Assim fazendo, estaremos bem fundamentados para discernir entre o certo e o errado, o verdadeiro e o falso, no turbilhão de informações e opiniões teológicas que estão ao nosso alcance, especialmente na Web, a rede mundial de computadores, e em todos os demais recursos da Internet. Fica claro no texto de Paulo a sua pouca preocupação com a descrição da natureza em si das heresias que estavam sendo pregadas. Ele não as expõe em detalhes. Duas explicações podem ser dadas para isso: a primeira é que Timóteo já as conhecia bem. Por isso, era desnecessário ao apóstolo detalhá-las na carta. A segunda é que não interessaria ao jovem pastor analisar os falsos ensinos, mas transmitir o ensino verdadeiro, o que bastaria para prevenir a igreja de qualquer falsificação doutrinária. Há, ainda, uma terceira observação que geralmente é feita quanto a esse ponto, que é o fato de Paulo preocupar-se mais em estampar os desvios de caráter dos falsos mestres, na linha do que Jesus já havia dito: “Por seus frutos os conhecereis” (Mt 716). No caso dos falsos mestres de Éfeso, as suas heresias seriam detectadas pelo resultado produzido: questões, debates e litigiosidade em vez de edificação na fé (1 Tm 1.4). Se isso já era perceptível naqueles dias — o que exigia, seguramente, um contato muito próximo com a comunidade cristã local —, o que dizer hoje, com o advento da Internet, quando todos os dias são produzidas novas polêmicas, alimentadas de um ciclo doentio de contendas e debates!

 

O combate às heresias é necessário, só que é preciso refletir quando, como e onde isso realmente deve ser feito. Fomentar o debate em torno de declarações ou ensinos heréticos pode representar, na verdade, um verdadeiro desserviço ao Reino de Deus. Sim! Irás redes sociais para fazer críticas ou fomentar confrontos a toda e qualquer declaração que destoe da ortodoxia bíblica pode não passar de mais um sinal pecaminoso, qual seja, a revanche contra o irmão para ganhar visualizações, likes e mais seguidores”.

 

CONCLUSÃO

Partindo do exemplo histórico do cativeiro babilónico que o povo de Deus sofreu, essa lição é um alerta à Igreja e aos crentes da atualidade acerca dos perigos e das terríveis consequências advindas do desprezo aos ensinos divinos. Precisamos reconhecer a realidade dos falsos ensinos, identificando-os e combatendo-os com a verdade de Deus.

 

HORA DA REVISÃO

1. Por ocasião do seu chamado, Jeremias teve duas visões. Quais foram?

A primeira foi a de uma vara de amendoeira como clara referência à infalibilidade da Palavra de Deus (Jr 1,11,12), enquanto a segunda foi a de uma panela a ferver inclinada para o norte, indicando a mensagem de juízo que ele teria de transmitir e que viria da região do norte (Jr 1.13,14).

 

2. Quanto tempo duraria o cativeiro segundo o profeta Jeremias?

Duraria 70 anos.

 

3. Qual era o propósito do Cativeiro Babilónico?

O propósito era de que seu povo se arrependesse, se convertesse e, então, pudesse habitar na terra que deu a vossos pais (Jr 25.5). O propósito do cativeiro não foi o de destruir e nem de humilhar, mas o de disciplinar e corrigir (Hb 12.11).

 

4. Segundo a lição, qual foi o caminho proposto pelo Senhor para a restauração?

O caminho de volta às Escrituras, pavimentado através do temor a Deus, da consciência do próprio estado espiritual e do arrependimento sincero.

 

5. Segundo a lição, como podemos vencer os falsos ensinos?

A forma mais eficaz de enfrentar e vencer os falsos ensinos é manter viva a confiança na verdade do Evangelho, pregando-o em todo o tempo sem adulterá-lo (2 Tm 4.2-4).

Postagens Relacionadas